Artigo

Retrospectiva

Sem tempo, Com pressa, Vida agitada, Tudo tão veloz... Rotina que estressa, Agenda apertada, Sem espaço para a voz...

Agora, O início do ano chegou... Novo tempo se iniciou! E, depois de tanta corrida Há tempo para uma parada, Uma intensa revisada, - A avaliação pretendida.

E, aqui estou, avaliando, Um ano depois repensando, Reavaliando minha vida... Buscando outro roteiro, - um caminho verdadeiro Aspirando uma saída...

Eu sei, É próprio do ser humano Cometer tanto engano, Prometer e se comprometer... Fazer promessas, sem cumprir... Inventar, acrescentar, mentir E ter que atitudes rever...

Então, Eu olho para a situação aflito... Como resolver esse conflito?

Foram tantos inúteis pensamentos... Mil planos – todos frustrados... Administração de sofrimentos... Tantos sonhos apagados... Intenso medo e abatimento... Sentimentos desnorteados... Revoltas e constrangimentos Desconfiança e desagrados... Tristeza e esmorecimento, Comportamentos precipitados...

Falta de fé, comprometimento, - Foi um viver bem desbotado!

Assim, um ano se passou Foi muito mais do que isto: A minha vida nele ficou... Uma parte, um misto, um todo! E eu prometi tanto... Mas falhei! Queria muito conquistar Mas, certamente me frustei! Era so parar e me revisar... Mas não permiti, não deixei!

Senhor, Agora, aqui desconcertado, Eu venho, desajeitado, Diante de ti colocar: O medo, a fraqueza, O segredo, a dureza, Os erros, a falta de ação, As cinzas de minha certeza, Os pedaços da fortaleza, As fraquezas do coração...

Por isto, neste ano novo, Há algo como um renovo, Que me faz nada prometer... Apenas eu quero colocar Os restos e protestos, A descrença e a doença, Os atritos e os conflitos... O meu ser no teu Altar... Deposito tudo a teus pés, Pois infinito é teu poder Eu sei que Poderoso és: Modifica o meu viver!

E assim eu terei alegria E vitórias no meu dia-a-dia, Certamente surgirão! Juntamente com o teu povo, Viverei contrito, de novo, A enorme satisfação De celebrar no coração,

Este Feliz Ano Novo!